Seja bem-vindo. Hoje é

9 de dez de 2009

RELÍQUIA



Onde está o silêncio onde jaz o silêncio?
Não neste braço sujo cortado
Não neste tapete espesso neste bloco de apontamentos
onde se cruzam insultos rimas
Não no pequeno perímetro das veias

- afinal tudo tudo entre nuvens de carbono
semelhantes a um bafo de camponês sobre a neve
onde se esmagavam insectos e excrementos de lobo
O primo velho outrora mo ensinara num mês adolescente.

Onde em que ilha de desolação
sufocado incerto esse silêncio soberano
onde jaz cerzido por traços de faca de pedra
Não não o barulho de um passo que caminha para a beleza dum rosto
saindo de um vazadouro para a lama musgosa da margem
Brillhante como celofane

O silencio que respira
Sim o silêncio morno de quem procura o vazio
ou de quem busca uma côr imersa na carne recordada
da mão faminta de muitos negrumes alheios

O silêncio que se recolhe
que se desdobra
que nos relembra de momentos e perdas
O silêncio que permutamos
O silêncio para além da luz entre os olhos de uma fera morta.


Nicolau Saião
(Monforte do Alentejo - 1946)

Um comentário:

  1. Belo poema..adorei.
    O silêncio que se recolhe
    que se desdobra
    que nos relembra de momentos e perdas
    O silêncio que permutamos
    O silêncio para além da luz entre os olhos de uma fera morta.
    Maravilhoso
    Beijos
    Sonhadora

    ResponderExcluir