Seja bem-vindo. Hoje é

25 de out de 2010

Sou habitante da cidade


Sou habitante da cidade, como os pombos
que esvoaçam a esperança de lés a lés.
Sou habitante da cidade,
como todos os sobreviventes
do cansaço ritmado dos horários.
As ruas esvaziam-se.
Um som sufocado de baladas protege
os culpados das ruínas do outono.
Em vão me iludo com a claridade da cidade desperta.
Ninguém chora a noite
depois da passagem dos barcos
pelo olhar das pessoas desprevenidas.


Graça Pires
De Outono: lugar frágil, 1994

Um comentário:

  1. Excelente!

    Situar-se como todos os sobreviventes. O "lugar frágil" passa a ser a fortaleza dos que aí vivem!

    Bravíssimo!

    Abraços

    Mirze

    ResponderExcluir