Seja bem-vindo. Hoje é

16 de ago de 2009

Cantiga de embalar


(Autoria desconhecida)

Embala-me, embala-me,
E canta-me cantigas,
Cantigas antigas de embalar meninos.
- Que a tua voz seja um cântico
Onde a minha alma descanse
E alcance os seus destinos.

Que tenha sonhos brancos e suaves,
Aves roçando leve o meu sonhar
Embalando breve, junto a ti, sonhando.
- Ó noite velha, sem estrelas e sem lua,
Nua e tua sinto bem minha alma
Na calma de um lugar agónico e brando.

E canta, canta, meu amor, encanta
Com essa tua voz sonhada e benta,
E lenta, lenta, meu amor, tão lenta.
- Deixa correr a vida! Que importa a vida,
Se no ponto da partida
No teu canto o meu anseio se atormenta!?


António Sousa Freitas
(Buarcos, Figueira da Foz a 1 de Janeiro de 1921 – Lisboa, a 30 de Junho de 2004)

Nenhum comentário:

Postar um comentário