Seja bem-vindo. Hoje é

18 de out de 2013

O azul, o azul rouco...



O azul, o azul rouco, o azul
sem cor, luz gêmea da sede.
Acerca deste rigor
tenho uma palavra a dizer,

uma sílaba a salvar
desta aridez, asa
ferida, o olhar arrastado
pela pedra

calcinada, húmido
ainda de ter pousado
à sombra de um nome,
o teu.

amor do mundo, amor de nada.

Eugénio de Andrade




Nenhum comentário:

Postar um comentário